Linhas de Pesquisa

Em 2018, após cuidadosa revisão pelo Colegiado do Programa dos dez últimos anos de atuação das Linhas de Pesquisa, ocorreu uma reconfiguração de seus temas de interesse, o que gerou novas denominações e composição de docentes. Em 2019 contamos com as seguintes Linhas de Pesquisa: Comunicação e Cultura Digital; Culturas da Imagem e do Som; Mediatização e Indústria de Mídia. Vale ressaltar que esta nova configuração manteve a demarcação de modo coerente e articulada das pesquisas em andamento no
Programa sob as ementas abaixo descritas.

LINHA 1- COMUNICAÇÃO E CULTURA DIGITAL: Agrega estudos sobre a sociedade contemporânea, enquanto massivamente conectada e baseada em dados e em ambientes digitais. As diversas abordagens no interior da linha se ocupam com interações, processos e estruturas tecnológicas, instituições e comportamentos sociais no contexto da digitalização e da datificação aceleradas do mundo contemporâneo. Reúne estudos
de softwares; game studies; governança e a democracia digitais; dinâmicas sociocomunicativas nas redes sociais, sociabilidade, automonitoramento, identidade e formação do sujeito; formas de vigilância distribuída e as controvérsias em torno da privacidade; desafios teóricos e metodológicos da big data; Internet das coisas e as cidades inteligentes; jornalismo de dados.
A linha reuniu 9 docentes permanentes: André Lemos, Marcos Palacios (Programa Especial de Participação de Professores Aposentados/ UFBA), Leonor Graciela Natansohn, Edson Dalmonte, José Carlos Ribeiro (Ins>tuto de Psicologia/UFBA), Suzana Barbosa, Wilson da Silva Gomes, Samuel Barros (UFRB) e Isabele Mitozo (PNPD/Capes-INCTs).

LINHA 2 – CULTURAS DA IMAGEM E DO SOM: Investiga fenômenos da comunicação relacionados às culturas da imagem e do som, seus processos de transformação históricos, políticos e estéticos. A reflexão realizada na linha contempla uma pluralidade de abordagens e considera as culturas da imagem e do som em seus aspectos poéticos, estéticos, estilísticos, narrativos, plásticos, históricos, culturais e políticos. As pesquisas
na linha abrigam o desenvolvimento de referenciais teóricos e/ou procedimentos metodológicos de análise do audiovisual, da imagem e do som.
A linha reuniu 6 docentes permanentes: Itania Gomes, Juliana Gutmann, Guilherme Maia, Jorge Cardoso Filho (UFRB), Sandra Straccialano Coelho (PNPD, acordo UFBA/Capes) e José Francisco Serafim. Necessário esclarecer a situação dos docentes colaboradores. A docente Regina Gomes solicitou desligamento do Programa em 2018. Por esse motivo, em 2019 ela passou a participar como colaboradora. Nuno Manna e Ludmila Carvalho estiveram como colaboradores até fevereiro e maio de 2019, respectivamente.

LINHA 3 – MEDIATIZAÇÃO E INDÚSTRIA DE MÍDIA: Reúne estudos sobre as implicações das indústrias de mídia na mediatização da sociedade, em especial, da sociedade contemporânea, investindo na reflexão sobre os processos de conhecimento do campo de estudo da comunicação. A linha abriga estudos sobre indústria da mídia e do jornalismo em particular; estruturação, formatos e processos de criação, produção e oferta, inovações e práticas das indústrias de mídia e do jornalismo; políticas, estratégias e regulamentos da comunicação em geral e das indústrias de mídia em particular; análise do discurso de produtos e organizações jornalísticas; competências infocomunicacionais no uso da mídia (media literacy) e processos de mediatização na cultura e na sociedade.
A linha reuniu 4 quatro docentes permanentes: Giovandro Ferreira, Othon Jambeiro (Programa Especial de Participação de Professores Aposentados/ UFBA), Maria Carmem Jacob de Souza e Lia Seixas. Jussara Borges integra a equipe como docente colaboradora desde março de 2019.

Dinâmica de funcionamento dos grupos de pesquisa

Cada Coordenador de Grupo de Pesquisa (GP) tem autonomia para definir periodicidade, dinâmica de funcionamento, critérios de participação e sistemas de avaliação das atividades desenvolvidas. Participam das reuniões dos GPs: docentes, pesquisadores, doutorandos e mestrandos a eles vinculados, além de bolsistas de Iniciação Científica, bolsistas de AT, alunos da graduação em realização de trabalho final de curso, alunos de graduação e pós-graduação de outros cursos da UFBA e de outras IES na condição de visitantes, associados ou intercambistas.

A dinâmica geral de funcionamento de cada um dos GPs pressupõe discussão das referências bibliográficas, exercícios de métodos de análise dos fenômenos comunicacionais investigados, exame crítico de resultados de pesquisa, além da discussão das atividades e relatórios de pesquisa de mestrandos e doutorandos. Todas as orientações de mestrado e doutorado são, portanto, vinculadas aos GPS, o que não exclui, evidentemente, acompanhamentos individualizados suplementares com cada um dos orientandos.

Integrantes dos Grupos de Pesquisa promovem e participam de atividades de intercâmbios institucionais nacionais e internacionais e de eventos acadêmicos nacionais e internacionais, na maior parte das vezes, apresentando artigos e conferências sobre os resultados das pesquisas em andamento.

As atividades dos Grupos de Pesquisa proporcionam produtivo ambiente de trabalho que está ampliando a capacidade de agregar e articular, por afinidades teóricas e metodológicas, docentes e discentes. Cresce o grau de participação de docentes e discentes em mais de um Grupo de Pesquisa que amplia a sintonia entre eles. É constante a presença de professores de Grupos e Linhas de Pesquisa diferentes em bancas de qualificação de doutorandos e nas bancas de defesa de dissertação e teses. Outros exemplos da articulação crescente entre docentes Grupos e Linhas de Pesquisa diferentes: publicações individuais e/ou em co-autoria; atividades conjuntas em Seminários; atuação em redes de cooperação acadêmica nacional e internacional e formação de redes e centros de pesquisa.