Linhas de Pesquisa

Dinâmica de funcionamento dos grupos de pesquisa

Cada Coordenador de Grupo de Pesquisa (GP) tem autonomia para definir periodicidade, dinâmica de funcionamento, critérios de participação e sistemas de avaliação das atividades desenvolvidas. Participam das reuniões dos GPs: docentes, pesquisadores, doutorandos e mestrandos a eles vinculados, além de bolsistas de Iniciação Científica, bolsistas de AT, alunos da graduação em realização de trabalho final de curso, alunos de graduação e pós-graduação de outros cursos da UFBA e de outras IES na condição de visitantes, associados ou intercambistas.

A dinâmica geral de funcionamento de cada um dos GPs pressupõe discussão das referências bibliográficas, exercícios de métodos de análise dos fenômenos comunicacionais investigados, exame crítico de resultados de pesquisa, além da discussão das atividades e relatórios de pesquisa de mestrandos e doutorandos. Todas as orientações de mestrado e doutorado são, portanto, vinculadas aos GPS, o que não exclui, evidentemente, acompanhamentos individualizados suplementares com cada um dos orientandos.

Integrantes dos Grupos de Pesquisa promovem e participam de atividades de intercâmbios institucionais nacionais e internacionais e de eventos acadêmicos nacionais e internacionais, na maior parte das vezes, apresentando artigos e conferências sobre os resultados das pesquisas em andamento.

As atividades dos Grupos de Pesquisa proporcionam produtivo ambiente de trabalho que está ampliando a capacidade de agregar e articular, por afinidades teóricas e metodológicas, docentes e discentes. Cresce o grau de participação de docentes e discentes em mais de um Grupo de Pesquisa que amplia a sintonia entre eles. É constante a presença de professores de Grupos e Linhas de Pesquisa diferentes em bancas de qualificação de doutorandos e nas bancas de defesa de dissertação e teses. Outros exemplos da articulação crescente entre docentes Grupos e Linhas de Pesquisa diferentes: publicações individuais e/ou em co-autoria; atividades conjuntas em Seminários; atuação em redes de cooperação acadêmica nacional e internacional e formação de redes e centros de pesquisa.